Honda Civic – Fumetsu no Senshi-tachi


Boa noite

O termo Fumetsu no Senshi-tachi em japonês representado por “Guerreiros Eternos” representa bem um ícone da indústria automobilística – Honda Civic.

O carro veio para o Brasil nos anos 90 com uma missão bem difícil, superar a concorrência nacional e derrubar a má fama dos carros japoneses, hoje em dia quando alguém fala que um carro chinês não presta nos anos 90 a fama era dos japoneses. Os japoneses receberam a má fama de sempre copiar tudo – aliás é a mesma dos chineses.

A partir dos anos 90 a situação mudou bastante. Honda, Toyota e Nissan se destacaram pelos seus carros superesportivos e populares com design e motorização bem diferenciados. O mercado europeu sempre foi agressivo, mas tirar a má fama de carro ruim pelo simples fato dele ser japonês não foi fácil.

800px-1993-1995_Honda_Civic_GLi_3-door_hatchback_(2011-11-17)_02

Aqui no Brasil o Honda Civic não foi um sucesso, teve vendas bem modestas, seu excelente conjunto mecânico recebeu a fama de nunca quebrar e ter uma mecânica sem problemas por pelo menos 400mil km. Mas o calcanhar de Aquiles da Honda era o mesmo de todos os carros importados que foram desembarcados no Brasil, sua suspensão não suportava o nosso péssimo asfalto.

Ficou evidente porque diversos carros nos anos 90 tinham pneus de perfil tão alto, as ruas e estradas no Brasil sempre foram um ponto de atenção para qualquer montadora que pensasse em fabricar ou importar um carro no Brasil.

Em 2011 eu escrevi uma resenha pequena sobre a Cronologia do Civic, que poderá ser revista aqui.

A Honda começou as suas atividades em automóveis aqui em 1992, na época haviam diversos modelos do Civic aqui, acredito que na época a Honda tinha um line-up mais completo do que temos nos dias atuais. Havia uma grande combinação de versões, câmbios e motores que não existia em nenhuma montadora aqui no Brasil.

As versões Hatch foram vendidas nas versões DX, LSi, Si, e VTi, o Sedan era LX e EX , o Coupé  EX e EXS (a partir de 1994) e Targa(CRX Si e VTi). Havia opção de escolha entre o câmbio manual e o automático, embora este último fosse mais frequente. A versão VTi só possuía transmissão manual.

Honda-Civic_Coupe_1993_800x600_wallpaper_02

Infelizmente a versão mecânica vendeu pouco e temos hoje poucos exemplares disponíveis para venda, não que isso seja um problema mas é que o Civic em especial o Coupé me agrada muito e mais ainda se ele for mecânico, as possibilidades de preparação deste modelo são muitas (acredite, quase não existe um limite para as possibilidades).

As versões Targa são raríssimas, assim como o Corsa GSI que na época custava 2x o modelo de entrada do carro, o Targa também possuía o preço pouco acessível, aliás, falando em preço, mesmo na época os carros não tinham o preço muito atrativo, mas eram completos e ainda são.

Em uma época em que Voyage era o carro do momento vendido sem ar e direção, o Civic esbanjava potência e conforto com ar, direção, kit elétrico e teto solar. O Santana era o carro do momento com todos os opcionais mas era Carburado (como todo carro na época). E falando em mecânica temos a lendária VTEC, veja abaixo a relação das motorizações de cada modelo disponível.

Os motores oferecidos no Brasil eram: 1.5L-D15B2 (LSi); 1.5L-D15B7 (DX e LX); 1.6L-D16Z6 (Si, EX e EXS); B16A2 (VTi) e B16A3 (VTI 1995). Os motores D16Z6 e B16A2 e A3 eram oferecidos com a tecnologia VTEC.

Honda-Civic_Coupe-1993-800-01

O VTEC – Comando de Válvula Variável, fazia o carro acionar somente 8v em baixas rotações, tornando o carro mais econômico e com uma arrancada superior aos modelos 16v. Em alta as 16v eram acionadas e liberava toda a cavalaria disponível no motor para o asfalto. Existem outras características deste motor, mas não irei comentar sobre elas agora.

Em 1997 a Honda iniciou as suas atividades no Brasil, descartando as versões Hatch do modelo, acredito que isso tenha se dado devido a concorrência ser muito maior para carros Hatch, nos anos 90 carro Hatch realmente não tinha tanto mercado quanto carro Sedan.

Em 2001 o Filme Velozes e Furiosos aumentou ainda mais a fama do carro, relembre a cena Clássica dos cinemas com o furto do caminhão, ao longo do filme são exibidas diversas versões do Civic, mas como todas elas estão no estilo tuning todas elas com exceção do Coupé passaram despercebidas.

Lembro como se fosse hoje, todo mundo que tinha um Civic daquele modelo e um Eclipse superfaturaram os seus veículos em anúncios nos jornais, revistas e internet. Aqui no Brasil como não tinha Toyota Supra, o Eclipse cumpriu bem o seu espaço vago.

Vou falar sobre as demais versões do carro em breve, encerro aqui a minha opinião sobre a primeira versão do Civic no Brasil.

 

Obrigado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.