Avaliações CM Pioneer AVIC-F960BT


Boa tarde,

Finalmente, depois de muita pesquisa adquiri uma central multimídia para o carro. Sempre fui fã de DVD Player para carros, principalmente porque garantem um entretimento maior dentro do carro.

No mercado nacional existem poucas opções de Centrais Multimídia o que difere uma das outras são:

Quantidade de interfaces (USB, Leitor DVD, Cartão SD, etc)

  • Resolução da Tela
  • Qualidade de Som
  • Qualidade da Tela

Acho que a CM (Central Multimídia) mais comum no mercado é a Caska, uma marca chinesa que possui inúmeras molduras e combinações de cores que uma vez instalada parecem realmente serem um produto OEM do carro.

Optei pela Pioneer porque estudei sobre os recursos de áudio e sei que a CM possui potencial para fazer um excelente projeto de som High End (que em 2015 espero poder compartilhar com vocês a minha ideia).

O preço tornou-se um atrativo, porque esta CM quando foi lançada em 2013 custa algo na casa de 3mil reais, hoje é possível encontrar a CM por 1.7k ou 1.8k em diversos lugares.

 

Falando sobre a Central ela tem uma tela que não deixa marcas de dedos, o tamanho dela é um pouco inferior as demais centrais chinesas 6.1 contra 7.0 na grande maioria, mas o tamanho é compensando graças a velocidade do toque da tela e do processador interno, por ela ser mais rápida no toque você até deixa passar o fato dela ser menor.

A Pioneer do Brasil me lembra a Philips a uns anos atrás, possui um excelente hardware com público fiel a marca, mas de uns anos para cá caiu tanto no conceito da galera que são poucos os projetos de som com equipamentos Pioneer. A Philips entrou no mercado de TV’s Smart com uma TV Single Core e fazia dela ter um péssimo tempo de resposta, o conjunto era bom, mas o processador era uma merda.

A Pioneer sempre teve um hardware bom e agora que entrou no mercado de centrais não possui qualquer suporte de software para atualização da central multimídia. Fico impressionado com a falta de suporte neste aspecto por parte da marca.

Não só a falta de suporte nas atualizações como manuais e a falta de informações claras no próprio site da Pioneer deixam a desejar, informações básicas do tipo modelo do GPS e software utilizado você não encontra no site. Um dos pontos fortes da Central que é o Mirror Link é um buraco negro, não se sabe se precisa comprar um cabo ou se o cabo USB que vem na Central já tem a função, ou ainda pior, não sei se para funcionar o Mirror Link precisa comprar algum módulo adicional.

Carente de informações mas com um bom conjunto físico a Central Multimídia da Pioneer será avaliada nos próximos dias.

 

Obrigado

Anúncios

Caixa de Som


Boa noite,

 

A primeira dúvida quando alguém que já tem os subwoofers ou woofers para o som automotivo é qual tipo de caixa utilizar… Dutada ou Selada?

O que é e quais são as diferenças de cada uma?

Quando você está montando um som para seu carro, provavelmente já surgiu a duvida referente a diferença entre a Caixa de som Selada e dutada.

Caixa Selada

A caixa de som selada tem como característica o isolamento do ar traseiro do auto falante, o ar dentro da caixa de som é comprimido e expandido conforme a movimentação do cone do alto-falante e a pressão interna tem efeito similar a uma mola, expelindo o cone quando ele entra e puxando o cone quando ele sai.

Abaixo um desenho e uma foto do conceito da caixa selada.

Caixa Dutada

A caixa dutada também é selada em toda sua extensão com exceção de um duto. Este duto, ou pórtico, é nada mais que um tubo de diâmetro e comprimento projetados para ressonar em uma freqüência desejada.

Abaixo um desenho e uma foto do conceito da caixa dutada.

Quando usar cada uma delas e quais as diferenças?

As principais diferenças entre caixas seladas e dutadas são a curva de resposta da caixa e o deslocamento da bobina do alto-falante quando inserido em cada uma delas. Quanto à curva de resposta, a caixa selada apresenta uma resposta plana (flat), onde geralmente nenhuma faixa de freqüência apresenta ganho em relação à outra, porém a curva de atenuação do sinal para freqüências abaixo da f3 (freqüência de corte da caixa – as freqüências abaixo desta perdem potência sonora ao ouvido humano) caem com uma taxa de -12 dB por oitava. Já a caixa dutada difere da selada ao apresentar ganho em uma determinada faixa de freqüência (freqüência de pico – fP) podendo chegar, dependendo do projeto, a 10dB em relação a caixa selada, porém como prejuízo temos o fato de que a atenuação da curva abaixo da f3 para este tipo de caixa é de -24dB/oitava, ou seja, uma queda mais brusca quando comparada uma caixa selada. Quanto ao deslocamento da bobina, em uma caixa selada a bobina tende a ter um deslocamento maior quando em freqüências mais baixas, o que acaba por restringir seu uso para alguns casos específicos, diferentemente da caixa dutada que permite estender a reprodução de grave mantendo o deslocamento da bobina dentro do limite de excursão linear do alto-falante.

Quanto à dificuldade de se optar por um dos dois tipos de caixa, tudo depende das necessidades e restrições de uso de cada um, pois caso se deseje trabalhar com uma resposta que apresente um reforço na região dos graves, geralmente escolhe-se trabalhar com uma caixa dutada, porém caso o usuário tenha dificuldades relacionadas a espaço e deseje uma resposta mais plana, opta-se por uma caixa selada, uma vez que as caixas dutadas sempre possuem um volume maior que as caixas seladas.

Obrigado

Mega Capacitores


Boa noite

 

Como carregar e como funciona o Mega Capacitor:
O Mega Capacitor é um estabilizador para o som, apenas serve para GRAVE, não para módulos que só vão tocar cornetas ou tweeters.. se você vai usar subwoofer ou woofer, ai poderá usar capacitores, use de preferencia 1Farad para cada 1000wrms, e SEMPRE tenha a bateria nescessaria (indico 100A pra 1000wrms). O capacitor vai estabilizar os picos de graves ou seja, o módulo sempre estará trabalhando na potência máxima, só que tem que cuidar, pois quando a bateria zerar, ela vai zerar mesmo! Por isso é bom ter pelo menos 75A pra 1000wrms.. o certo é 100A.

Ele trabalha em paralelo com a bateria, pois a bateria é lenta para responder aos rápidos pedidos de energia do amplificador, entao ele fará este papel, dando ao amplificador sempre a força que ele precisa, sendo assim o amplificador trabalhará 100%, não forçando a fonte do mesmo, ajudando a prevenir problemas com o amplificador ou a fonte do mesmo.

 

São totalmente lacrados portanto podem ser utilizados em qualquer posição. A única restrição na instalação é não obstruir uma saída de ventilação que previne a explosão do mesmo caso a temperatura interna aumente o que acontece quando utilizado acima da tensão nominal ou ligado invertido.
A tensão de isolamento do capacitor indica que acima dessa tensão o capacitor pode entrar em curto ou explodir. Para uso automotivo, uma tensão de 16 a 20 Volts está bom, acima disso é desperdício e terá uma carga devagar, não sendo eficiente para uso em áudio. Resumindo, um capacitor com isolamento de 250 Volts tende a carregar mais lento que outro com isolamento de 20 Volts, como queremos rapidez, o melhor é o de 20 Volts.

O Mega-capacitor é carregado pela bateria e descarrega corrente para o amplificador nos momentos das batidas das músicas, cessando a batida, o capacitor se carrega rapidamente em milésimos de segundo.
Capacitor não é bateria, é simplemente um acumulador de cargas, portanto, ele vai fornecer elétrons na mesma proporção que foi carregado com elétrons, não é igual a uma bateria que é uma fonte de elétrons por geração química.
Basicamente servem para suprir a necessidade dos amplificadores nas rápidas requisições de corrente elétrica, isso ocorre nas batidas da música, essa necessidade não é suprida pela bateria, pois sua construção não permite que ela responda com uma velocidade compatível com a velocidade de variação da música.

 
Carregando: Junto dele normalmente vem uma lâmpada ou resistor (caso perdê-la, use uma lâmpada de carro 12v qualquer), esta lâmpada servirá como resistor,não deixando passar a tensão total diretamente ao capacitor, e com isso não danifica seus pólos. * Nunca ligue o módulo antes de carregar o capacitor, 1o você deve carregá-lo para depois engatar os fios do amplificador, caso não fizer isto pode danificar o capacitor.

Para carregá-lo, conecte primeiro o Terra (Negativo) que deve ser ligado à lataria do carro, e ao fazer o terra, você deve raspar bem a lata antes de parafusá-lo, para dar o máximo de contato possível entre o cabo e a lata, isto é feito na batera da frente também, sendo assim o carro todo é um terra (negativo).

Após conectar o terra no capacitor, você deve conectar a lâmpada em ponte com o positivo, ou seja, uma perna da lâmpada é conectada no cabo positivo e a outra na entrada positiva do capacitor, ao fazer isto ela vai acender, e o capacitor vai se carregar aos poucos, isto demora de 1 a 5 minutos em média, alguns capacitores fazem barulho ou piscam, depende de cada um, mas o capacitor só vai acender/alertar com 9 a 10 V de carga, após isso falta pouco. O Positivo é bom estar protegido por um Fusível ou um Disjuntor logo na saída da bateria.

Quando ele chegar nos 12V, você deve tirar a lâmpada e rapidamente colocar o cabo positivo na entrada positiva. Agora seu capacitor esta carregado em paralelo com sua bateria, e mostra a voltagem dela (a maioria), caso quiser acompanhar a voltagem use um multimetro nos polos de saida do capacitor, ele vai mostrar como está carregando!

Obs: O capacitor vai se apagar (desligar) automaticamente caso não houver variação de tensão, ou seja, quando o carro estiver desligado por alguns minutos, ou o som parado, ou baixo sem picos, e vai se ligar a cada variação de tensão, ou seja, quando liga o carro ou o som! A maioria dos capacitores funcionam desta maneira.

Importante: Só Agora, depois de carregado, você deve retirar a lâmpada/resistor e parafusar o fio (+) no capacitor, logo após, você deve conectar o amplificador, nas saidas do capacitor, primeiro o negativo depois o positivo, e pronto! Seu capacitor está instalado! Caso um dia você trocar a bateria ou retirar ele, ele irá descarregar aos poucos e será necessário outra carga com a lâmpada antes de conectá-lo ao sistema novamente!

 

Os Mega-capacitores devem ficar a no máximo 50 cm do amplificador e a bitola do fio deve ser o maior possível, geralmente da mesma bitola do fio puxado da bateria para o amplificador. Idem para o fio que vai do capacitor ao terra, de preferência na mesma chapa onde foi fixado o terra do amplificador para evitar loops de corrente de terra.
Vocês podem associar 2 capacitores ou mais. Para isso, eles devem ser ligados em paralelo. Isto é, positivo com positivo e negativo com negativo. Com isso a capacitância será somada, mas a tensão máxima de trabalho se mantêm, pois os capacitores estarão submetidos a uma mesma tensão.

 

Obrigado

Stereo por favor


Boa noite,

O meu projeto de som do Cerberus, aparentemente terminou, tirando o fato de eu realmente querer DVD no painel, os demais equipamentos de som eu já instalei e configurei para obter o maior e melhor  resultado possível.

No final de 2010, senti que o carro precisava um pouco de stereo, os 2400w RMS de Mono tocavam qualquer música, mas no final de ano, diversas festas e necessidades especiais de ligar o som do carro, fizeram com que eu repensasse o meu conceito sobre cornetas super tweeters, ambos quando bem dimensionados no projeto de som dão o up na medida certa do projeto.

Obrigado

Novo projeto – 2 baterias


Boa noite,

Ultimamente meu grau de exigencia tem se aprimorado cada vez mais… outro dia ouvindo Fear (Disturbed) em MP3, ao final da música (ainda bem) o sistema de som inteiro praticamente “se auto-suicidou-se a si mesmo”.

Primeira palavra que veio a cabeça? “- FODEU!” – claro, a vida não seria perfeita sem um momento desses para quebrar a rotina.

Chegando em casa, resolvi por meios próprios entender o que raios poderia ter acontecido, antes de sair desmontando todo o conjunto, de cabeça fria, olhei para o voltímetro da coluna de instrumentos e o mesmo indicava 13,5v.

Nessa voltagem posso dar várias partidas ainda no carro, sendo que o mínimo seria os 12v. Afastei o pouco a caixa de som e vi o mega capacitor com apenas 8v…. tem coisa errada… na frente 13,5 e atrás 8v, cadê os outros 5,5v?

O problema é que o módulo Mono consome muita energia, existe perda de energia porque uma única bateria não consegue manter todo o sistema em perfeito funcionamento, o que deve ser feito neste caso é a instalação de uma segunda bateria, muito comum em projetos de som automotivo.

O problema é conseguir um local de fácil acesso, que não seja quente para que a não ocorra problemas com a bateria, normalmente estas baterias de som que são vendidas no mercado nacional necessitam de uma manutenção semestral, devido a esta característica a bateria não poderá ser instalada e esquecida (como acontece na maioria dos projetos que eu já vi).

A bateria escolhida para o projeto foi a Impact de 90a, popularmente conhecida por ser uma das melhores baterias para som automotivo, embora seja comum encontrar diversas críticas sobre esta bateria – principalmente pelo fato dela ter somente 6 meses de garantia, enquanto a média da concorrência são os 12 meses – escolhi ela por custo x benefício e por ter usado ela em um projeto de som bem similar ao do Corsa.

Na foto a imagem da bateria assim que eu retirei ela, deixei ela no carro por 5 dias para ver se elaxava algum cheiro ou se ocorria algum vazamento. A bateria é bem mais pesada do que a de 60a que eu já tenho no carro.

Uma dica para quem está montando um esquema de 2 baterias, utilize um disjuntor automotivo para ligação do som e um residencial (se não tiver outro) para ligar as baterias em paralelo.

A vantagem do disjuntor diante do fusível é a praticidade em que ele é acionado em caso de alguma irregularidade elétrica. No caso do fusível o mesmo é queimado e você deverá substituir a peça. No caso do disjuntor apenas um clique no botão e o sistema será ligado novamente.

A lateral do lado direito do carro possui as medidas exatas para fixação da bateria sem roubar espaço da caixa dutada. No meu caso procurei ser o mais específico possível, porque não gostaria de retirar a bateria para tirar a caixa e trocar o estepe quando necessário.

A bateria foi fixada por uma base metálica do tipo cantoneira. E para prender a bateria foram utilizados cintos de segurança doados por um carro velho,  para fechar e abrir fica fácil e rápido, além do material ser bem resistente.

Faz aproximadamente 4 meses, desde a instalação desta bateria e até agora nenhuma ocorrência, não vazou e fiz alguns testes bem pesados no final do ano de 2010. Tenho ainda 2 meses de garantia e o meu alternador permanece original do corsa 1.6

Abraços

2 Baterias – Fusível


Boa noite,

Tive alguns problemas durante a instalação do som do Cerberus.

Os que eu posso destacar são, fusível, falta de energia, falta de espaço e os vidros (nem são um problema… mas deram problema rs).

A instalação de uma segunda bateria resolveu metade dos meus problemas, como eu nunca tinha ouvido música alta em um período muito longo – principalmente pelo fato de que a bateria não aguentava por muito tempo.

O disjuntor passa por uma fiação de 25mm, a de 35mm possuía um diâmetro muito superior ao dos conectores da bateria.

Reparem na foto abaixo que antes havia um porta-fusível azul (60ah)

 

Substituí o porta-fusível por um disjuntor automotivo de 100a

 

O que é e para que serve?

O fusível e o disjuntor nada mais são do que um dispositivo de desarme de alimentação, caso haja uma irregularidade (curto-circuito), ou mesmo uma sobrecarga de corrente ou tensão no sistema.

Trocando em miúdos: bem aplicados, são projetados para detectar fatores citados acima e desarmar, provocando, assim, uma interrupção instantânea da corrente no sistema. Um fator muito importante é o posicionamento destes equipamentos, que devem estar localizados o mais próximo da fonte de alimentação. No nosso caso, a bateria do veículo.

Obrigado

2 Baterias


Boa noite,

Depois de muito trabalho, finalmente consegui instalar as 2 baterias em paralelo no Corsa, um dos grandes problemas foi a falta de espaço físico no porta-malas.

Peguei umas idéias no CeltaClube para instalar uma bateria na frente, mas a falta de Mão de Obra capacitada, impediram a idealização do projeto, com uma trena medi um pequeno espaço perdido no porta malas, na lateral do carro e vi que ficaria muito justo, com uma folga milimétrica.

Audacioso, tomei a frente e concretizei o meu projeto, com um bom funileiro, a segunda bateria ficou fixada na lateral do carro e presa por cintos de segurança automotivo, não sairá de lá tão fácil.

O Cerberus, possui poucos espaços vagos na frente para passar a fiação, acabei gastando 12m de fiação de 16mm, é muito fio….

Cada um dos conduítes maiores foram destinados para passar a fiação (positivo e negativo) da bateria de forma bastante isolada.

Para que ele entrasse pelo carro, passei a fiação por um furo já existente que hoje passam os cabos de pressão do combustível e pressão do óleo.

os cabos passaram com bastante facilidade, internamente o cabo foi passado por baixo do carpete original do carro.

A fiação foi passada por baixo do banco do passageiro, não havendo necessidade de desparafusar o banco.

 

A fiação traseira foi passada por baixo do carpete e depois nas laterais até a bateria.

Tudo ligado e funcionando.

Bateria escondida, ainda estou pensando em como esconder melhor…

Obrigado