Carro do Leitor: Chevrolet Corsa


Boa noite,

Recebo com uma certa frequência algumas fotos de projetos automotivos, alguns em especial eu publico aqui no Blog como o Chevette, Clio e agora o Corsa do meu amigo Elmo.

A grande maioria dos projetos, seus respectivos donos acabam optando em alterar a estética do carro com itens e acessórios internos/externos. Poucos são aqueles que modificam a mecânica do carro para aumento de potência (Supercharger, Turbo ou Upgrade Mecânico).

No caso deste maravilhoso Corsa o recebeu um excelente motor 2.0 originário do Vectra/Kadett, este motor possui dimensões perfeitas para o cofre do Corsa, com poucas adaptações é possível fazer o mesmo. Acredito que o mais difícil neste caso seria a adaptação elétrica do carro, o câmbio pode ser um especial ou original dos Chevrolet 2.0

E se eu contasse que além do novo conjunto mecânico o carro recebeu uma turbina Biagio.50/.48 ? Ignorância pura para o pequeno Wind… que aliás em inglês significa vento, mas no caso do Elmo o carro está mais para um Tornado.

corsa_branco

Além da alteração mecânica do carro, suspensão foi perfeitamente trabalhada e um novo jogo de rodas esportivas que eu acabei esquecendo de perguntar, mas aparentemente é um jogo aro 16″ com pneus baixos 40 ou 45 de altura.

Um Body Kit no estilo Bad Boy foi montado no carro e os retrovisores foram trocados pelo conjunto que eu conheço como M3. Tanta potência está unida com bastante segurança, Barra estabilizadora, Freios do Vectra 16v fazem parte do conjunto.

Espero que em breve o Freio Traseito do Kadett/Vectra A seja adaptado para ancorar esse excelente exemplar.

Parabéns Elmo, este carro deve com certeza dar muita alegria em seus passeios.

100_2557 100_2599

O carro do Elmo está extremamente organizado, o cofre do motor está limpo e organizado, nenhum vazamento de óleo, o kit está tão bem montado que parece um kit original para Corsa.
482597_438312629587974_1850752454_n

O exemplar recebeu suspensão especial JJ e visualmente falando as rodas dão uma harmonia a todo o conjunto.

100_2600

Mais uma foto do motor turbinado, sendo o proprietário uma injeção da Fueltech RacePro realiza todo o controle da injeção.

Para quem gostaria de conferir a potência do carro, assista o vídeo abaixo.

Obrigado

Adaptação – Freio a Disco Traseiro – Corsa B


Boa noite,

Ultimamente  recebido a ajuda de diversos amigos, a grande maioria do CorsaClube, porém pela minha falta de tempo raramente eu tenho respondido os emails dos colegas, tendo em vista que ninguém é louco o suficiente para fazer uma adaptação irreversível como essa, vou tentar descrever o máximo possível como foi a experiência de utilizar freios de 312mm na frente (um pouco maior do que do Omega) e 234mm na traseira (original do Kadett/Monza/Vectra A) .

Bom, vamos aos fatos…

Esqueça tudo o que você sabe sobre frenagem, alterar os discos de freio nesta proporção fará o seu carro parar quase que instantaneamente, sabe quando você freia com o pé esquerdo em carros automáticos? é a mesma sensação de parar um carro com freios especiais.

Outra questão é que adaptação é acima de foda complicada, lembre-se que se o cabo quebrar ou se o freio falhar, você automaticamente entrará em uma situação de alto risco, tenha em mente que a cada curva nos primeiros km da adaptação você deverá sentir o carro e voltar a confiar nele.

Por último não menos importante… a alteração nos freios é proibido pelo Contran as resoluções 319/2009 e 262/2007 deixam claro que é necessário passar por uma vistoria antes e depois da alteração, caso contrário seu carro não poderá circular, existem outras normas que deixam bem claro, porém em uma rápida pesquisa no Google encontrei essas duas.

Existe um fator importante… tudo é caro, não existe freio barato, mesmo em desmanche, que aliás é uma alternativa pouco inteligente, lembrando que você usará o carro para transportar você, sua família e ter total convicção que está em um veículo seguro para você e para a sociedade… dependendo da situação do carro no desmanche o antigo dono não teve a mesma sorte… logo freios “remano” ou usados não é uma boa alternativa, tendo em vista que o serviço de torneiro mecânico para desempenar os discos usados pode não ter sido de boa qualidade e o mesmo poderá dar uma tremenda dor de cabeça para você.

Tá mas…. freio novo para Corsa B não existe – beleza, procure por empresas especializadas que ofereçam um produto de qualidade com garantia, o desmanche é uma opção para quem realmente não quer investir e provavelmente não se preocupa em pagar mais caro a médio prazo.

Onde comprar?

Eu comprei o meu kit na PowerBrakes, excelente empresa, atendimento e entrega eficientes, localizada na zona sul da capital (próximo a Marginal Pinheiros) a PowerBrakes realiza a fabricação de diversos kits par diversos carros. Eles oferecem peças de reposição para freios especiais a pronta entrega, ou seja, o risco de você ficar sem pastilhas ou discos de reposição é bem pequeno.

Tive receio no começo, principalmente pelo fato de usar freios especiais (são frisados) normalmente o povo comenta falando que a pastilha é devorada pelo disco em poucos meses de uso. Para o dia-a-dia a pastilha está durando quase 1 ano (disco dianteiro) e eu nunca troquei as pastilhas do disco traseiro (a um pouco mais de 1 ano e meio).

Isso irá variar muito de motorista para motorista e de carro para carro, lógico que motoristas que tem mais “pegada” esportiva irão achar o freio uma merda porcaria, porque terá pouca durabilidade. Mas no meu caso que ando cerca de 700km por mês na cidade e 2400km de estrada estou bem contente e satisfeito com a durabilidade do kit.

Chega de conversa furada…. Como instala o kit?

O kit em si não é problemático de ser instalado, mesmo porque possui um modelo específico para cada carro, com furação e tamanhos exatos, o kit vem completo ou seja não re-utilizei nenhum componente do carro.

Um detalhe importante é a substituição de todo o fluído de freio, com freios especiais, existe uma necessidade de utilização de um fluído mais eficiente, originalmente alguns carros vem com fluído DOT 3 ou DOT4, para melhor eficiência do conjunto utilize DOT 4 e lembre-se… JAMAIS misture os fluídos, faça o sangramento dos freios do carro até secar o reservatório para encher novamente com o novo fluído. Existe o DOT 5.1 que é para carros de rua, porém nunca li algo que informasse que ele é muito mais vantajoso do que o DOT4.

Um dos fatores importantes para garantir total eficiência do conjunto é o Hidrovácuo… infelizmente no Corsa o Hidrovácuo é pequeno, e você aumentando os discos da frente ou usando um kit traseiro fará com que ele trabalhe em condições pelas quais ele não foi projetado,  será uma questão de tempo para a peça demonstrar fadiga exagerada, principalmente em trânsitos excessivos (como descidas para a praia em época de verão, feriado e férias…. 12h para percorrer um trajeto de 60km é estressar demais os componentes do carro).

Já logo de cara troque o Cilindro Mestre do Carro (se for usado como o meu), porque a peça fará você retornar ao mecânico em poucas semanas, ficará evidente que o Cilindro Mestre não dará conta do recado.

Segundo Karin Nice, quando você pressiona o pedal de freio, ele empurra o pistão-primário através de uma haste. A pressão aumenta no cilindro e nas linhas à medida que o pedal é mais pressionado. A pressão entre o pistão-primário e o secundário força este a comprimir o fluido em seu circuito. Se o freio estiver funcionando de maneira correta, a pressão será a mesma em ambos os circuitos.

Um dos principais problemas que eu identifiquei no Kit são os Flexíveis e as tubulações por onde passará o fluído, são exageradamente grandes, os flexíveis logo de cara que troquei por menores do Monza e a tubulação eu levei para um torneiro cortar e refazer a cabeça do tubo, para se ter uma ideia, o tubo foi cortado em 60% no comprimento. A PowerBrakes não oferece mão-de-obra, somente fabrica e vende.

Não use o tubo que vem, embora eu dei uma olhada no site, parece que os novos kits estão bem menores, de qualquer forma é preciso verificar se haverá necessidade de cortar ou não, porque lembrando que um serviço mal feito irá afetar diretamente a sua segurança e a de outras pessoas.

Uma dica que eu dou para quem está começando a preparar o carro, comece pela suspensão e freios, não espere turbinar primeiro para fazer essas modificações, mesmo porque um carro turbo torna-se um problema quando o fator “parar” não é obedecido.

O resultado final é esteticamente excelente e funcionalmente um dos melhores upgrades que se pode fazer no carro. Eu já vi aquelas calotas com um freio a disco traseiro de enfeite… acredite aquilo é vergonhoso, quem tem coragem de andar com aquilo merece tomar um tapa com a mão aberta com os 5 dedos na cara….

Não tenho grana para o Kit, existe um plano B?

Nenhum plano B quando se fala em segurança, merece ser discutido… sua conta em risco amigo, caso tenha alguma experiência boa, por favor compartilhe com os demais.

Um dos riscos em ter algo que não é confiável é que você nunca sabe quando terá um trânsito absurdo… vou postar abaixo algumas fotos de uma viagem que eu fiz recentemente, passando pela Castello Branco (rodovia) o havia até um helicóptero do resgate para socorrer.

Quando se pode esperar por um acidente de proporção gigante (o google maps não estava atualizado)….. fiquei horas para andar poucos metros… eu estava cansado e estava sentindo que o carro também estava começando a ficar quente – sou pobre… ar condicionado e direção hidráulica em 2004 eram itens de luxo e extremamente caros.

Todo mundo desligou os carros, alguns saíram dos carros, largaram tudo, estava fácil para serem roubados, principalmente porque realmente teve uma galera que saiu do carro e caminhou por alguns metros (deixando o carro aberto) para ver a maldita desgraçados outros.

Neste anda-e-para é que o freio começa a se desgastar excessivamente…. o ideal é não parar de forma brusca… sim, existem idiotas que socam o pé com toda a força do mundo quando andam em trânsito caótico, simplesmente para descontar o stress no carro – depois a porra droga do cabo quebra e o pessoal fala que o produto é de má qualidade….

Voltando aos fatos… eu desvio um pouco do assunto mas tudo é pertinente…

O que eu fiz para instalar de forma mais eficiente…

No destaque vermelho da foto, aquela cabeça do cabo (ela tem o formato de um cogumelo – para não dizer outra coisa)  quebrou com a vibração do cabo, que era grande demais e eu cabaço enrolei esse cabo dando voltas e voltas como se ele fosse uma corda ou algo mais flexível.

Levei em um torneiro ele cortou 60% da peça, com isso ela ficou bem curtinha e eu pude prender ela nos suportes destacados pela imagem laranja da foto. Ali bem preso a peça não vibra e o conjunto não quebra.

Outra coisa que eu troquei foram os flexíveis traseiros por flexíveis (também traseiros) do Monza, são menores e não raspam na lataria, os que vieram no Kit ficavam raspando na lataria do carro e o risco de quebrar ou até mesmo cortar o material era grande.

O freio de Mão (marca verde da foto) tive um probleminha…. não tinha onde prender, prendi com presilha (famoso esgoela gato), não deu outra… 3 meses depois pufff caiu e o freio de mão ficou quase raspando no asfalto (não quebrou a peça pq eu fi rapidamente), raspava quando passava em lombada.

Coloquei uma presilha de ferro (ou algo parecido, não lembro) mas sei que aguenta alta temperatura e não quebra.

Um serviço bem feito fará o seu carro parar bem e o melhor de tudo, com qualidade e segurança.

Bom galera é basicamente isso, vou tentar ao longo das semanas escrever algo mais técnico e detalhar ainda mais a adaptação, deixei aqui só algumas preocupações e dicas rápidas para quem está querendo alterar o sistema de frenagem do carro.

Abaixo um vídeo bem legal sobre fluídos de freio.

Obrigado

Cronologia Chevrolet Corsa B


Boa noite,

Recentemente eu fiz um grande tópico falando sobre o Fiat Palio, esta semana o carro que merece destaque no site será o Chevrolet Corsa, o carro está presente no Brasil desde 1994, na época em que os carros estavam começando a ter linhas arredondadas, para quem não se lembra o Voyage, Gol, Chevette e Uno são um dos poucos exemplos de carros que foram produzidos no ano.

O carro mundial da Chevrolet está presente em diversos países da Europa, Ásia e América Latina, normalmente os carros sofrem alterações em seus nomes, no caso do Corsa não foi diferente, para os países que não adotaram o nome Corsa os nomes Chevrolet Sail e Chevrolet Barina substituíram tal nome.

Na Europa ele é montado pela Vauxhall e Opel (todas são Chevrolet). Voltando a falar sobre o carro, o Corsa veio para o Brasil com uma grande inovação, foi o primeiro carro nacional popular equipado com Injeção Eletrônica, nos anos 90 ainda era comum ver carros circulando com carburador ou o carburador eletrônico, que até hoje é odiado por mecânicos e proprietários.

O Brasil não recebeu o Corsa na sua primeira geração, ele já veio em sua 2ª Geração, conhecido como Corsa B. O carro veio em diversas versões: Corsa Wind 1.0, Corsa Wind Super 1.0, Corsa GL 1.4 e Corsa GSi 1.6 16v.

O GSI até hoje é um carro bem raro de ser encontrado, na época o preço dele era muito caro quando comparado como Corsa Wind, com um GSI dava para comprar tranquilamente 2 Corsas Wind, essa mania de brasileiro comparar os carros simplesmente pela estética ao invés de ter completa noção do que o carro vem de série. Um fato recente é o Civic SI onde até hoje eu vejo em fóruns falando que ele é um Civic equipado com motor 2.0… prefiro nem comentar porque isso renderia outro tópico e estamos aqui para falar do nosso querido Corsa.

O GSI é um esportivo equipado com o motor 1.6 16v com Teto Solar, AC, DH, Bancos e Rodas exclusivas. Infelizmente são poucos os modelos originais que vemos rodando por aí. Não comparem o motor 1.4 do Corsa dos anos 90 com os atuais motores 1.4, o atual é bem mais moderno, potente e econômico, quando comparado com esta versão que não vingou muito no mercado.

Em meados de 1996 ~ 1997 o Corsa teve mais 2 versões o Sedan (que hoje é o Classic) e a Pickup. Embora os houvessem versões 1.6 destes carros o motor 1.6  da época é bem diferente do motor 1.6 dos anos 2000 em diante. Os motores EFI (antigos) possuem somente 1 bico injetor, enquanto os MPFI possuem 4 bicos.

O Corsa teve diversas versões no mercado nacional, Hatch 2 portas, Hatch 4 portas, Station Wagon (Perua), Sedan e Pickup, abraçava todas as fatias do mercado, o Corsa é um excelente carro quando falamos de Custo x Benefício, embora seja comum encontrar no mercado versões sem Ar Condicionado e Direção Hidráulica, um Corsa continua sendo uma excelente compra, seu custo de manutenção é extremamente barato e encontra-se peças de reposição no mercado de forma fácil e rápida.

O Corsa é um carro bom para se equipar também, as rodas por exemplo podem ser herdadas de todos os carros da GM que possuam a furação 4×100 (Vectra, Astra, Meriva e Agile), é comum ver nas ruas Corsas com rodas de Astra e Vectra. A furação é comum também no Renault Megane antigo, dá para encontrar rodas de ferro aro 16″ que podem ser herdadas do Megane.

Particularmente o Corsa nas suas versões peladas nasceu para correr na pista de Interlagos em Track Day, o meu um dia terá a preparação necessária para correr sem ficar muito para trás, a versão pelada dá para equipar freios e rodas maiores e além disso um turbo com kit intercooler para resfriar o cofre do motor.

A instalação do intercooler é complicada para carros com ar condicionado, porque o cofre do corsa fica com pouco espaço livre para instalar este importante componente.

Cronologia

1994 – Inicio de produção nas versões Wind 1.0 e GL 1.4 de 60 cv
1995 – Versão esportiva GSi 1.6 16V de 106 cv e versão picape
1996 – Injeção eletrônica MPFi, GL recebe motor 1.6 de 92 cv
1996 – Lançamento do Corsa Sedan e fim da versão GSi
1997 – Corsa Wagon
1997 – Série Piquet na cor amarela limitada a 1.000 unidades com motor 1.0
1998 – Série Champ – Referência à Copa da França
1999 – Sedan com motor 1.0 16V
1999 – Versão ST da picape
2000 – Faróis transparentes e novas lanternas
2001 – Fim da versão Wagon
2002 – Nova geração, fim da versão hatch antiga e da picape
2003 – Motor 1.8 FlexPower bi-combustível álcool/gasolina
2004 – Linha 2005, Corsa Classic passa a ser identificado apenas como Classic nas versões: Life, Spirit, e Super (agosto)
2004 – Versões da nova Geração passa a ser identificadas como Joy, Maxx, e Premium (agosto)
2005 – Motor 1.0 FlexPower bi-combustível álcool/gasolina e fim do motor 1.0 gasolina (setembro)
2005 – Versão SS (novembro)
2006 – Corsa Classic 1.0 VHC Flex com 72 cv (janeiro)
2006 – Fim do motor 1.6 no Corsa Classic (outubro)
2007 – Motor 1.4 Econo.Flex de 105/99 cv, acelerador eletrônico drive by wire, grade do radiador com barra cromada. Versões de acabamento: Maxx, intermediária, e Premium, topo de linha. A motorização 1.0 disponível com os pacotes Joy, de entrada, e Maxx, e o bloco 1.8 passa a equipar apenas as versões SS (Super Sport), no hatch e Premium, no sedan (junho)
2009 – Classic com motor VHCE com até 78 cv de potência, acelerador eletrônico (janeiro)
2009 – Fim dos motores 1.0 e 1.8 (maio)
2009 – Kit de personalização Energy com saias laterais, spoiler dianteiro e traseiro, aerofólio e adesivos (dezembro)
2010 – Reestilização do sedan Classic com mudanças externas na dianteira e traseira, sendo oferecido apenas na versão 1.0 LS (abril)
2011 – Fim de produção do Corsa Sedan (novembro)

Só para finalizar fiz um vídeo do meu Corsa, a edição não é das melhores, mas em breve terei um novo vídeo do carro.

Obrigado

Fui sem dar Tchau


Boa noite,

Alguém viu o Prisma 1.0, Corsa Sedan, F-250 e Pajero Sport zero Km na concessionária? Comecei a ler uma matéria publicada pela AutoEsporte e sinceramente me fez pensar a respeito.

Fonte: http://revistaautoesporte.globo.com/Revista/Autoesporte/0,,EMI294072-10142,00-QUATRO+MODELOS+BRASILEIROS+SAEM+DE+FININHO+DO+MERCADO.html

 

Estes modelos que quase não se destacavam no mercado, acabaram saindo das grandes concessionárias (aqui em  SP) o Corsa Sedan, foi bem substituído pelo Cobalt – pena o nosso não ser igual ao modelo americano, mas é uma boa opção de carro zero de até 40mil reais.

Cobalt Nacional

 

Abaixo uma foto do Cobalt Americano, que possui uma versão SS bem equipada de série.

Cobalt Americano

O Cobalt Americano possui diversas versões de motores, 2.0 supercharger ou 2.4 turbinado, por aqui ele só é vendido na versão 1.4, poderia ter uma versão superior com 1.8 (Ecotec do Cruze) mas infelizmente ficaremos apenas na vontade.

A Parati também saiu de linha, ultimamente nem o modelo Caixa d’água eu tenho visto pelas ruas da capital, no interior todo mundo conhece mas ninguém tem e na praia deixou de ser moda entre os adeptos (ou entusiastas) pelo surf. A Parati já foi cagada equipada pelo programa de TV Aberta que prefiro nem comentar…

 

Um modelo zero km na concessionária? não sei se existe ainda, procurei no WebMotors e ri demais com o retorno do site.

Pesquisa no WebMotors

 

Na AutoEsporte o preço divulgado foi de R$ 42mil na Parati… sinceramente prefiro um New Civic usado…

 

Obrigado